Qual é a diferença entre luto, depressão, melancolia e mania?

Uncategorized

Qual é a diferença entre luto, depressão, melancolia e mania?

O luto, a depressão e a melancolia são frequentemente confundidos uns com os outros, e a mania é, na sua maioria, bastante desconhecida. O termo desordem bipolar, entretanto, tornou-se prevalecente na linguagem corrente, enquanto que a sua frequência clínica não mudou.

Estão todos ligados a uma sensação de perda e, para além do luto – que é um processo inteiramente normal que não é patológico – todos eles pertencem ao que se chama perturbações do humor, aquelas que afetam o estado afetivo do indivíduo, quer baixando-o, quer aumentando-o.

LUTO:

O luto caracteriza-se por um estado de tristeza e apatia, muitas vezes acompanhado de insónia e fadiga, que se segue a uma perda emocional consciente. Uma perda que pode ser a de um ente querido, de um lugar, de uma atividade, ou mesmo de certos ideais intelectuais.

Alguém que está de luto está plenamente consciente do que perdeu; o reconhecimento da perda leva-o a desistir lentamente de todas as satisfações, desejos e esperanças que estavam ligados ao que foi perdido – daí o sentimento de um mundo empobrecido, e de profunda tristeza. Uma importante fonte de vitalidade, motivação e interesse na sua vida desapareceu.

O luto não é linear: pode ser muito intenso, depois desaparecer, voltar num momento inesperado, ou estar ausente num momento em que seria de esperar. Embora o luto desapareça gradualmente com o tempo, não é raro que dure vários anos se a perda tiver sido a de alguém ou algo profundamente significativo para a pessoa.

Alguém em luto não precisa de psicoterapia ou medicação, precisa de tempo para reorganizar a sua paisagem emocional interior, e para estar rodeado de pessoas compreensivas. Se, contudo, não houver modificação na tristeza e na apatia ao longo do tempo, então falamos de luto patológico, que é uma forma de depressão.

DEPRESSÃO:

A depressão manifesta-se pelos mesmos sinais que o luto – neste caso chamamos-lhes sintomas depressivos – expecto que a pessoa deprimida não tem consciência do que perdeu, apesar de sentir falta de vitalidade e motivação.

A pessoa deprimida não compreende por que razão sente o que sente; algo lhe está a acontecer -aparentemente sem razão, ou com uma razão que não justifica a intensidade do seu sofrimento – que invade a sua psique, e em face do qual está desamparada. A pessoa sente que não há “lógica” para a sua depressão.

A depressão é tão não linear como o luto: pode ir e vir sem qualquer razão aparente. O que diferencia a depressão do luto é que ela não se desvanece com o tempo. O indivíduo deprimido, uma vez que não está consciente do que está a causar a depressão, não pode empreender o longo processo de trabalhar através dos sentimentos que eventualmente resolvem o luto; como resultado, as depressões tendem a tornar-se crónicas se não forem tratadas.

As razões inconscientes que levam um indivíduo a estar deprimido são tão numerosas que não podemos realmente falar de uma etiologia comum a todas as diferentes depressões. No entanto, enumeremos algumas das mais frequentes: um sentimento de impotência interior, autoestima ferida, sentido moral punitivo, falta de interação relacional, e comportamento auto destrutivo estão frequentemente subjacentes à depressão. Cada uma destas situações é sustentada por cenários inconscientes complexos que as imobilizam em circuitos fechados de feedback.

A experiência mostra que é raro que a depressão se cure sem tratamento; indivíduos deprimidos podem desenvolver todo o tipo de estratégias para escapar aos seus sentimentos depressivos – comportamento viciante, voos para pseudo progresso, mudança compulsiva de estilos de vida, entre outros – mas mais cedo ou mais tarde os sintomas reaparecem.

A fim de resolver as perturbações depressivas a longo prazo, é necessário empreender um trabalho psicanalítico ou psicoterapêutico que permita ao indivíduo desenterrar os conflitos inconscientes, trabalhar através deles, e libertar-se do fardo que involuntariamente carrega.

No caso em que os sintomas depressivos sejam tão incapacitantes que não permitam ao indivíduo manter uma qualidade de vida mínima (ser severa e cronicamente incapaz de sair de casa, de trabalhar, de cuidar dos seus filhos) alguns medicamentos serão prescritos até que a pessoa recupere o suficiente, e serão então progressivamente reduzidos. É importante notar que a medicação só oferece alívio dos sintomas, não oferece soluções a longo prazo.

MELANCOLIA:

A melancolia é um tipo grave de depressão, que partilha com ela tudo o que descrevemos aqui acima, mas que se distingue dela pela presença de autocrítica violenta e injustificada que está ausente na sua maioria nas depressões não melancólicas.

O indivíduo que sofre de melancolia tortura-se a si próprio com pensamentos críticos, denegridores e insultuosos, que não têm razão justificada para o ser, e que têm um efeito devastador na sua autoestima.

Este último ponto é importante porque, para além dos sentimentos depressivos presentes em todas as formas de depressão, na melancolia há também o fator agravante da destruição da autovalorização que intensifica a experiência depressiva. Assim, o risco de suicídio é maior na melancolia e deve ser cuidadosamente avaliado quando a pessoa procura ajuda.

Ao contrário das depressões não melancólicas, cujas origens podem ser extremamente variadas, temos mais indicadores do que a etiologia da melancolia pode ser. Não é raro que, durante o tratamento de um doente melancólico, tenhamos a impressão de que a crítica violenta que o doente dirige a si próprio poderia, de facto, aplicar-se ao que sentiu em relação a outra pessoa que foi importante na sua vida – alguém que foi ferozmente amado e odiado. Isto sugere que, a um nível inconsciente, há fusão-confusão entre o paciente e esta pessoa do seu passado com a qual manteve uma relação tão ambivalente – disto podemos compreender que, de facto, o ódio dirigido a si próprio é na realidade dirigido a outra pessoa confundida consigo próprio.

No que diz respeito ao tratamento da melancolia, é semelhante à depressão. O trabalho psicoterapêutico visará ajudar o paciente a tomar consciência da ligação intensamente ambivalente que teve com essa pessoa amada, e ajudá-lo-á – através de uma profunda compreensão emocional – a separar-se dessa pessoa na sua mente. Isto implica um longo processo de trabalho através da separação-diferenciação, bem como encontrar canais mais benéficos para a agressão inconsciente. Tal como no tratamento de depressões graves, se necessário, a medicação pode ser prescrita durante um período de tempo limitado.

 

MANIA:

A mania é o oposto de depressão. Caracteriza-se por um humor eufórico, grandioso, exaltado, um excesso de autoconfiança, e uma atividade ininterrupta que é frequentemente acompanhada por verborreia. A insónia e a irritabilidade também estão frequentemente presentes.

Nas suas manifestações mais graves, psicóticas, provoca uma perda do sentido da realidade que se exprime por ilusões de grandeza que podem levar o paciente a empreender projetos impossíveis, ou a gastar enormes somas de dinheiro. Existem também formas menos severas de mania, chamadas estados hipomaníacos, onde o sentido da realidade é preservado.

A mania no sentido clínico do termo nada tem a ver com o que em linguagem corrente é chamado “ser maníaco”, que se refere à loucura em geral ou ter um entusiasmo excessivo por algo. Alguém que sofre de mania é maníaco, não um maníaco.

A mania nunca se apresenta como um sintoma solitário, é sempre acompanhada, mais cedo ou mais tarde, por um episódio depressivo ou melancólico. Mesmo certos estados hipomaníacos que parecem não ter fim têm um lado depressivo oculto que nem sempre é observável a partir do exterior. Se há depressões sem mania, então porque não há manias sem depressão?

Porque a mania é uma defesa contra a depressão, uma defesa muito dispendiosa para o organismo em termos da quantidade de energia gasta, e não é possível mantê-la durante muito tempo. É uma forma de se proteger dos sentimentos depressivos, transformando-os no oposto – uma estratégia defensiva comum, aliás – mas essa defesa só funciona durante um certo período de tempo antes de o organismo se esgotar e a realidade se restabelecer. Depois vem o movimento pendular em direção à depressão, agravado pelo contraste com o estado maníaco anterior e o esgotamento que este provocou. Esta é a origem dos estados maníaco-depressivos, agora chamados desordens bipolares.

As pessoas que sofrem de um episódio maníaco não costumam consultar um profissional de saúde mental durante o episódio – a grandiosidade que vem com a mania protege-as de sentir qualquer sentimento de necessidade de ajuda. É quando a mania se transforma em depressão que se tornam conscientes de uma necessidade de ajuda.

Em casos menos graves, como a hipomania, a psicoterapia intensiva pode ser suficiente. Nos casos em que há uma perda psicótica do sentido da realidade, é altamente recomendável complementar a psicoterapia com medicamentos reguladores do humor até que o paciente possa regular suficientemente bem os seus próprios estados emocionais.

Leave your thought here

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Formas de Pagamento